Homem-Aranha: Longe de Casa | Crítica

Homem-Aranha Longe de Casa Crítica

Após os acontecimentos de “Vingadores: Ultimato”, Peter Parker (Tom Holland) está em uma viagem de férias pela Europa, quando é surpreendido por um ataque de monstros gigantes, denominados Elementais, e o surgimento de um novo personagem, o Mysterio (Jake Gyllenhaal). Nick Fury (Samuel L. Jackson) recruta Parker para integrar a equipe que deve enfrentar a nova ameaça, o que faz com que o jovem tenha que lidar com a responsabilidade de ser um herói em um mundo sem Tony Stark. O longa é dirigido por Jon Watts (Homem-Aranha: De Volta ao Lar) e trás de volta MJ (Zendaya), Need Leeds (Jacob Batalon), May Parker (Marisa Tomei), Happy Hogan (Jon Favreau) e outros personagens que integram o universo do cabeça-de-teia no cinema.


O final da saga de Thanos em Vingadores: Ultimato aguçou a curiosidade dos fãs sobre como seguiria o Universo Cinematográfico da Marvel, elevando a expectativa pelo novo filme do Homem-Aranha. A lacuna deixada pela saída de personagens de grande importância para a construção da narrativa que envolve não apenas os Vingadores, mas cada personagem isolado, parecia um obstáculo na manutenção da qualidade dos filmes e a fidelidade do público. Homem-Aranha: Longe de Casa é uma resposta bem elaborada a vários dos questionamentos sobre o MCU. De uma maneia muito orgânica, o longa conseguiu elevar ainda mais a importância do personagem dentro do universo já estabelecido, mas sem perder o clima de filme adolescente que funcionou tão bem em Homem-Aranha: De Volta ao Lar. A construção das cenas de ação leva o espectador a recordar dos quadrinhos de John Romita Jr, com sequências bem planejadas do Homem-Aranha agindo como um malabarista entre as teias, usando todo o cenário ao seu favor. As cores escolhidas também remetem rapidamente às HQs.


Tom Holland mais uma vez empresta seu carisma ao Peter Parker, nos fazendo acreditar em cada diálogo e acompanhar o amigo da vizinhança tanto em sequências de ação, quanto em seus dramas adolescentes. A dinâmica entre Holland e seus companheiros de cena é admirável, com um destaque especial para os momentos que compartilha com Zendaya e Jacob Batalon. Jake Gyllenhaal se encaixa perfeitamente no MCU, embora seu personagem tenha motivações rasas, sua interpretação rouba a atenção do espectador. Marisa Tomei e Jon Favreau também alcançam um lugar de destaque, devido ao carisma de seus personagens e o alívio cômico que trazem para a narrativa. Favreau representa um elo entre Peter e Stark, proporcionando momentos nostálgicos para os fãs.


Homem-Aranha: Longe de Casa tem um papel fundamental para a nova fase do MCU, mostrando um novo início, e apresentando o caminho que deverá ser seguido a partir de agora. O filme possui duas cenas pós créditos muito relevantes para os próximos capítulos da saga. O longa chega aos cinemas em 4 de julho.

Confira abaixo o trailer oficial do longa:

Para mais informações sobre Homem-Aranha: Longe de Casa, curtam e sigam nossas Redes Sociais.